© Susana Neves

© Susana Neves

© Susana Neves

© Susana Neves

© Susana Neves

© Susana Neves

© Susana Neves

© Susana Neves

Objetoteca Popular Itinerante

Ficha artística

Direção artística Igor Gandra, Carla Veloso

Texto, Dramaturgia e Conceção Cenográfica Igor Gandra

Realização Plástica da Cenografia e Adereços Eduardo Mendes

Artista Convidado Gisela Matos, João Pais Filipe, João Marques, Rodrigo Malvar

Outros Convidados Paulo Pereira, Daniel Folha, João Camacho, Sérgio Sousa, Jorge Humberto – Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

Desenho de Luz Mariana Figueroa

Vídeo Teatro de Ferro, Carlota Gandra

Consultores Teóricos José Alberto Ferreira, Magda Henriques, Mário Amaral

Acompanhamento Crítico Bruno Monteiro

Registo Fotográfico Susana Neves

Oficina de construção Eduardo Mendes, Daniela Gomes, Matilde Gandra, Nádia Soares (estagiária EP Campanhã)

Produção Carla Veloso

Agradecimentos A TRAMA Associação Cultural

Coprodução Teatro de Ferro e Câmara Municipal do Porto

Duração Micro Apresentação 10 minutos · Apresentação 50 minutos

Classificação Etária M/ 6 Anos

O que têm para contar um canivete suíço, uma reprodução da Guernica, uma música pop dos anos oitenta ou Moby Dick, a carrinha branca?

A nossa Objetoteca Popular Itinerante vai andar por aí para nos falar sobre tudo isto e muito mais! Estes e outros objectos vão circular pelos espaços da cidade - feiras, praias e outros ajuntamentos populares. A Objetoteca Popular Itinerante é ela própria um objecto híbrido - é a partir do encontro amoroso entre uma biblioteca itinerante e uma carrinha da feira que se faz esta performance pública da enciclopédia popular dos objectos do quotidiano.

 

O projecto de criação Objetoteca Popular Itinerante é a primeira parte do ciclo temático A Revolta dos Objectos que o Teatro de Ferro irá desenvolver no biénio 2018- 2019. A segunda parte deste ciclo será dedicada ao projeto A Revolta dos Objectos – uma Conferência Animada.

A exploração do potencial performativo e conceptual do objecto nas suas relações com o humano está no cerne deste projecto. O Teatro de Ferro retoma assim o rumo da investigação sobre os objectos. No espectáculo Olo – um solo sobre um solo (2014), uma marioneta torna-se manipuladora de objectos, em Objecto Encontrado Perdido (2015) aproximámo-nos do universo do objecto surrealista, na criação realizada no Bairro Camões 'Encontros no caminho. Os novos fenómenos do Entroncamento' (Maio 2017) partimos para a criação com objectos encontrados no local, na nossa mais recente criação Marionetas Tradicionais De Um País Que Não Existe (Outubro 2017) explorámos novas relações entre humano e objecto, desta vez numa relação mediada pelos fantoches, ou marionetas de luva. Estes são alguns exemplos do percurso realizado nos últimos anos. O horizonte de possibilidades é inesgotável. Nesta nossa Objetoteca Popular Itinerante queremos prosseguir também a nossa pesquisa sobre os modos de partilhar estas práticas com um campo mais alargado de pessoas.